quarta-feira, 24 de novembro de 2010

CNBB evita polêmica de declarações do papa sobre uso de preservativos


A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), porta-voz da Igreja Católica no país, evitou nesta segunda-feira a polêmica criada em torno da declaração do papa Bento 16, que admitiu a utilização de preservativos em certos casos para reduzir o risco de transmissão do vírus da Aids.

Em um livro que será lançado nesta terça-feira na Alemanha e na Itália, Bento 16 afirma que o uso de preservativos é aceitável "em certos casos", especialmente para reduzir o risco de infecção do HIV, mas insiste que não é a "verdadeira" maneira para combater a Aids --já que para ele é necessária uma "humanização da sexualidade".

Consultada pela agência de notícias France Presse, uma porta-voz disse que a CNBB esperará até ter o livro original em mãos para comentar as declarações.

Já o governo brasileiro elogiou as declarações do papa, que classificou como "muito positivas". "[Elas] nos permitem abrir uma discussão junto a grupos católicos que atuam na prevenção da Aids", disse Eduardo Barbosa, diretor-adjunto do Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids, do Ministério da Saúde.

Segundo Barbosa, ao admitir o uso de preservativos em casos como a prostituição, o papa permitiu que "tenhamos a possibilidade de incluir os preservativos masculinos e femininos nas ações que desenvolvemos com grupos como a Pastoral da DST/Aids, que depende da CNBB".

"Assim, poderemos incluir estes importantes agentes católicos em discussões sobre o sexo fora do casamento, por exemplo, e as possíveis ações sociais de prevenção de doenças. A credibilidade do papa abriu este espaço", continuou.

Barbosa lembrou ainda que o Brasil acaba de comprar 1,2 bilhões de preservativos que serão distribuídos gratuitamente pela rede de saúde pública nos próximos dois anos, incluindo 20 milhões de preservativos femininos.

O assessor nacional da Pastoral da DST/Aids, frei Luiz Carlos Lunardi, disse que a declaração do papa "acrescenta um dado importante para o contexto da realidade atual da Aids" e "lança luz sobre os desafios concretos que representa a epidemia da Aids".

"Em algumas situações, como indicou o papa, a pastoral pode considerar o uso do preservativo, sempre em direção ao bem maior que é salvar vidas", completou.
FONTE: CNBB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visitantes

Contador de acesso