terça-feira, 30 de novembro de 2010

A CELEBRAÇÃO DO ADVENTO


No último domingo, 28, a Igreja celebrou o primeiro domingo do Advento, iniciando desta forma mais um Ano Liturgico. O Tempo do Advento é composto de 4 semanas que antecedem o Natal e termina no dia 24 de dezembro. Não é um tempo de festas, mas de alegria moderada e de preparação para receber Jesus, ou seja, tempo de preparar os corações para melhor penetrar nos mistérios do Natal.

No livro O ANO LITÚRGICO História, Teologia e Celebração - Anámnesis 5, vários autores, ©Paulinas 1991 , encontramos uma citação do calendário romano, nº 39 explicando que "O tempo do Advento tem uma dupla característica: é tempo de preparação para a solenidade do Natal, em que se recorda a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens e simultaneamente é o tempo no qual, através desta recordação, o espírito é conduzido à espera da segunda vinda de Cristo no final dos tempos".

Estas caracterisiticas do Advento está presente nas leituras biblicas. No primeiro domingo ela nos orienta para parusia final, as leituras do segundo e o terceiro chamam a atenção para a vinda cotidiana do Senhor; e no quarto domingo prepara-nos para a nascimento de Cristo ao mesmo tempo fazendo dela a teologia e a história.

Toda a liturgia do Advento é apelo para se viver alguns comportamentos essenciais do cristão: a expectativa vigilante e alegre, a esperança, a conversão, a pobreza.

SACRAMENTOS: A EUCARISTIA


A Eucaristia é o alimento. Ninguém vive sem se alimentar. Para viver, dependemos não só da comida, mas também do pão da fraternidade, do carinho, da justiça. Nessa experiência de repartir o pão de cada dia, seja o pão de trigo, seja o pão da dor ou da alegria, Deus está presente. Celebrar a Eucaristia é também uma denúncia contra a falta de fraternidade que existe no mundo; porque na Eucaristia comemos do mesmo pão, quando na vida falta pão para tanta gente. Acreditamos e celebramos tudo isso na comunhão. A Eucaristia é Deus mesmo se repartindo como pão, na doação de Jesus.

A santa Eucaristia conclui a iniciação cristã. Os que foram elevados à dignidade do sacerdócio régio pelo Batismo e configurados mais profundamente a Cristo pela Confirmação, estes, por meio da Eucaristia, participam com toda a comunidade do próprio sacrifício do Senhor.

Na última ceia, na noite em que foi entregue, nosso Salvador institui o Sacrifício Eucarístico de seu Corpo e Sangue. Por ele, perpetua pelos séculos, até que volte, o sacrifício da cruz, confiando destarte à Igreja, sua dileta esposa, o memorial de sua morte e ressurreição: sacramento da piedade, sinal da unidade, vínculo da caridade, banquete pascal em que Cristo é recebido como alimento, o espírito é cumulado de graça e nos é dado o penhor da glória futura.

Muitos pensam que os Sacramentos são obras eclesiásticas, ou seja, criadas pela Igreja, mas isso não é verdade, todos os Sacramentos são sinais da graça de Deus que são expressos sem sombra de dúvidas na Palavra de Deus. Por exemplo: a presença de Jesus no Pão e no Vinho, é bem explicada nas Escrituras que relatam a última refeição de Cristo com os Apóstolos: A Santa Ceia.

Veja abaixo algumas palavras que Jesus disse aos seus apóstolos:

"Durante a refeição, Jesus tomou o pão e, depois de o benzer, partiu-o e deu-lhe, dizendo: 'Tomai, isto é o meu corpo'. Em seguida, tomou o cálice em suas mãos, deu graças e o apresentou, e todos deles beberam. E disse-lhes: 'Isto é o meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança que será derramado por vós e por todos. Em verdade eu vos digo: já não bebereis do fruto da videira, até aquele dia em que o beberei de novo no Reino de Deus'" (Mc 14, 22-25)

Através das palavras de Cristo, podemos perceber a firmeza de suas palavras. Ele não disse que o Pão simbolizava a sua carne, mas é verdadeiramente a sua carne. Não disse também que o vinho representava o seu sangue, mas é verdadeiramente o seu sangue.

Jesus disse também: "Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede" (Jo 6, 35). Quem recebe o Cristo, com a convicção que realmente Jesus está presente na Hóstia Consagrada, tem a benção de estar sempre saciado de graças vindas Dele.

Quando comungamos, nos transformamos em verdadeiros Sacrários, por isso é importante deixar bem limpo o lugar em que Jesus vai habitar. É através da Confissão que limpamos o nosso ser, recebendo a absolvição de nossos pecados.

Podemos então concluir que a Eucaristia, que significa "Ação de Graças" é o alimento da alma. Através dele passamos a caminhar com mais força rumo à Salvação. O importante é comungar com a convicção que Jesus é o Sacramento da Eucaristia, que é um grande presente Dele à nós.

<<>

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

CAMPANHA PARA EVANGELIZAÇÃO 2010


Rio de Janeiro, 27 nov (RV) - “Em Cristo somos novas criaturas”. Este é o lema da Campanha para a Evangelização que começou no domingo de Cristo Rei em todas as dioceses no Brasil, numa iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, a CNBB. Aprovada pela 35ª Assembléia Geral da CNBB em 1997, a Campanha tem como objetivo arrecadar fundos para a sustentação do trabalho de evangelização da Igreja no Brasil.

A Campanha da Evangelização é realizada entre o último domingo do ano litúrgico e o terceiro domingo do tempo do Advento, que neste ano cai no dia 12 de dezembro, quando teremos também a Coleta Nacional para a Evangelização. Nas celebrações deste tempo de espera do Senhor que veio, virá e vem, esta coleta será feita em todas as paróquias e comunidades eclesiais. A Campanha para a Evangelização, além de estar em perfeita harmonia com o espírito do tempo deste tempo, também tem a finalidade de angariar esses fundos que garantem a continuidade da obra evangelizadora em nosso país. Com o resultado da coleta nacional para a evangelização, não só realizamos a manutenção da CNBB nacional e regional, e contribuímos para a pastoral das nossas dioceses, como também financiamos projetos evangelizadores em todo o território nacional.

Com o tema “Encarnação e nova criação”, a Campanha traz um texto-base que aprofunda o lema “Em Cristo somos nova criatura”. O texto dá, também, orientações para a organização e animação da Campanha nas dioceses e paróquias.

Ao propor este tema e lema, que estão em sintonia com a Campanha da Fraternidade do próximo ano, a Campanha visa despertar nos fiéis a relação entre fé e vida, através da conscientização sobre a responsabilidade diante da vida no planeta como elemento essencial para a realização do trabalho evangelizador, a fim de que, pela palavra, pela ação e pela doação pessoal e material, todos contribuam de maneira mais efetiva para a ação evangelizadora da Igreja.

A Campanha para a Evangelização vai receber doações também por telefone. A CNBB contratou um serviço 0500, que receberá doações a partir de domingo, 21 de novembro, até o dia 12 de dezembro. Os doadores poderão ofertar R$5,00, R$10,00 ou R$15,00 reais discando, respectivamente, os números 0500-2512-005; 0500-2512-010 ou 0500-2512-015.

SACRAMENTOS 03 CONFIRMAÇÃO


A Crisma é a força de Deus. Nós só conseguimos viver porque Deus nos dá essa força. Essa força de Deus é o Espírito Santo agindo em nós. Na Igreja, a experiência de nossa vida é celebrada no sacramento da Crisma. A Crisma é o sacramento do cristão que está amadurecendo na fé.

Juntamente com o Batismo e a Eucaristia, o sacramento da Confirmação constitui o conjunto dos "sacramentos da iniciação cristã" cuja unidade deve ser salvaguardada. Por isso, é preciso explicar aos fiéis que a recepção deste sacramento é necessária à consumação da graça batismal. Com efeito, pelo sacramento da Confirmação "os fiéis" são vinculados mais perfeitamente à Igreja, enriquecidos de força especial do Espírito Santo, e assim mais estritamente obrigados à fé que, como verdadeiras testemunhas de Cristo, devem difundir e defender tanto por palavras como por obras.

Durante a primeira vinda de Cristo sobre a Terra, Ele prometeu aos seus apóstolos o Paráclito (advogado, defensor). Jesus também promete o Espírito Santo para nós, e nos é concedido através do Sacramento da Confirmação. A Crisma também é chamado Sacramento da Confirmação, pois através dele confirmamos o nosso Batismo que recebemos na maioria das vezes quando criança.

Confirmar o Batismo é muito importante, pois quando criança não temos a consciência do Sacramento, mais sim os nossos parentes mais próximos que resolveram levá-lo até a pia batismal. Já na Crisma, não são os seus parentes que escolhem se queres ou não receber o Crisma, mas sim você mesmo.

No sacramento da Crisma recebemos os dons do Espírito Santo: Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Piedade, Ciência e Temor de Deus. Eles são dons que nos aproximam de nossa vocação: a Santidade.

Quando recebemos o Espírito Santo e nos abrimos inteiramente à graça sacramental não agimos em nós, mas sim o próprio Deus nos usa de instrumento e agi em nós. Por isso podemos considerar o crismando uma pessoa com grandes responsabilidades. Veja: No Batismo recebemos o Espírito Santo e nos transformamos de criaturas de Deus para Filhos de Deus. Já na Crisma dizemos com consciência: Quero ser Filho de Deus e assumir a minha missão de evangelizar.

O mesmo Deus que os apóstolos receberam no dia de Pentecostes é o mesmo que recebemos no Sacramento da Crisma, por isso a mesma autoridade que eles tinham ao anunciar a Palavra de Deus é a mesma que possuímos. O dia em que nos crismamos é sem dúvida o dia de nosso Pentecostes. Onde o Espírito Santo nos é enviado para transformar e santificar.

As transformações do Espírito Santo são nitidamente vistas na Bíblia. Observe: Vamos dar o exemplo do apóstolo Pedro. Antes do dia de Pentecostes era um pescador de pouca instrução, medroso, incrédulo e infiel. Quando se passou o dia de Pentecostes, melhor dizendo, logo ao sair do cenáculo onde o Espírito Santo desceu sobre os apóstolos e Maria, ele realizou um discurso que prova o poder do Espírito Santo (At 2, 14-41). Podemos até duvidar se realmente era o mesmo Pedro pescador e incrédulo.

Foi a partir daí que a Igreja se firmou, ou seja, foi através do Papa São Pedro que a Igreja de Jesus Cristo surgiu. Vejamos: se somos também Igreja, é através do Sacramento da Crisma que firmamos em nós o "tijolo" eclesial que somos.

Luzia Santiago: Tire os olhos dos problemas!


“Perseverai na oração, mantendo-vos, por ela, vigilantes na ação de graças” (Col 4,2).

Muitas vezes, precisamos derramar lágrimas, mas, independentemente disso, não desperdicemos nenhuma dor; que todas elas se derramem no Coração Divino de Nosso Senhor. Exulte de gratidão e louvor, pois o Senhor conforta a sua vida e guia seu caminho. Em meio às tribulações, às grandes lutas que travamos, até mesmo no silêncio de nossa alma, Ele sempre manifesta Sua ternura e cuidado.

Quando, em nossa fraqueza, pensamos que o Senhor nos abandonou e se esqueceu de nós, é o momento de levantar a cabeça e confiar em Sua Palavra, pois Ele proverá todas as coisas para o nosso bem.

Não podemos firmar os olhos nas dificuldades e nos inúmeros problemas como se estivéssemos perdidos, sem ninguém para nos ajudar e amparar. Precisamos ficar atentos aos pequenos gestos de amor que o bom Deus realiza em nossa vida diariamente e aclamá-Lo com ação de graças.

Problemas sempre existirão, como o próprio Cristo afirmou, mas, se estivermos com os olhos no Senhor, veremos Seu socorro e amparo, independentemente da situação e dos resultados.

Deus jamais nos abandonará!

Jesus, eu confio em Vós!

FONTE: site da cnção nova

VOCÊ TEM VALOR



Aconteceu num retiro.
O pregador começou a palestra segurando uma nota de 100 reais.
Na sala, com 200 pessoas, ele perguntou: ”Quem quer esta nota de 100 reais?”
Todas as mãos se levantaram.
Ele disse: “Eu darei esta nota a um de vocês, mas, primeiro, deixem-me fazer isto!”
Então ele deixou a nota bem amassada.
E perguntou, outra vez: “Quem ainda quer esta nota?”
Todas as mãos continuaram erguidas.
“Bom – disse – e se eu fizer isto?”
E ele deixou a nota cair no chão e começou a pisá-la, a suja-la e esfregá-la. Depois pegou a nota, agora imunda e amassada, e perguntou: “E agora? Quem ainda quer esta nota?”
Todas as mãos permaneceram levantadas.
“Amigos – concluiu o pregador – vocês todos devem aprender esta lição: Não importa o que eu faça com este dinheiro, ele não perde o seu valor, ela ainda va-lerá 100 reais”.
Essa situação se dá também conosco. Muitas vezes, somos amassados, pisoteados e ficamos sujos por causa dos nossos pecados. E assim ficamos nos sentin-do desvalorizados, sem importância e humilhados por nossos pecados.
Porém, para DEUS não importa o que aconteceu, jamais perdemos o nosso valor. Quer estejamos sujos, quer estejamos limpos, quer amassados ou inteiros, nada disso altera a importância que temos aos olhos de DEUS. O valor de nossas vidas não é pelo que fazemos ou sabemos, mas pelo que SOMOS! E todos nós somos especiais para DEUS que é Pai de todos.
Toda vez que buscamos, realmente arrependidos o perdão de DEUS, no Sacramento da Confissão, Ele vai nos devolver aquele valor originário que nós tínhamos antes do pecado!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

FESTA DE N. S. DA CONCEIÇÃO EM OLHO D`ÀGUA DOS BORGES

TEMA: m Nossa Senhora: queremos viver a alegria de sermos discípulos Missionários para anunciar o Evangelho de Jesus Cristo.

ROGRAMAÇÃO RELIGIOSA:

29/11/2010 – Segunda-feira
NOITE DA PREFEITURA/COMUNIDADES RURAIS E APOSTOLADO DA ORAÇÃO
19:00 hs – Missa de abertura e hasteamento das bandeiras.
Tema: Viver e comunicar a vida nova em Cristo a nossos povos.
Pregador: Bispo Diocesano – Dom Mariano Manzana
Resp.: Prefeito/ Primeira Dama/ Vice-Prefeita/ Francisca Dias/ Lícia.

30/11/2010 – Terça-Feira
NOITE DA CAERN/CORREIOS/POLICIA MILITAR E PASTORAL DO TERÇO
19:00 hs – Missa
Tema: A missão dos discípulos a serviço da vida plena.
Pregador: Pe. Domingos
Resp.: Zé de Egidio/ Maria Antonia/ Sarg. Rondes/ Augusto/ Zé Aroldo

01/12/2010 – Quarta-Feira
NOITE DA SECRETARIA DE SAÚDE/ SEC. INFRA-ESTRUTURA E PASTORAL DA PESSOA IDOSA
19:00 hs - Novena
Tema: Devemos lutar pelo o bem estar das pessoas idosas.
Pregadora: Augusta(coord. da pastoral da pessoa idosa da dioc. de Mossoró.
Resp. Jadete/ Dilberto/ Raquel/ Fátima/ Ana

02/12/2010 – Quinta-feira
NOITE DOS SINDICATOS RURAIS/ COMERCIANTES/ PASTORAL DA CRIANÇA
19:00 HS
Tema: A comunhão dos Discípulos Missionários na Igreja.
Pregador: Pe. Marcondes
Resp.: Aurinete/ Janitaria/Adriana/Lânia Sales/Maria Helena Araújo/Iraci

03/12/2010 – Sexta – Feira
NOITE DAS SECRETARIAS: ASSISTÊNCIA SOCIAL E EDUCAÇÃO E PASTORAL DO DÍZIMO
19:00 hs – Novena
Tema: Dizimo: Gesto de gratidão a Deus
Pregador: Nelinho – Obra de Maria
Resp.: Laedna/ Maria Alexandre/ Toinha Leite/ Mazinha/ Ritinha Barros/ Neta Barros

04/12/2010 – Sábado
NOITE DOS MOTOCICLISTAS/FILHOS AUSENTES/ SEVRETARIA DA AGRICULTUTA E LEGIÃO DE MARIA
19:00 hs – Novena
Tema: Reino de Deus, justiça social e caridade Cristã
Pregador: Tibério.
Resp.: Quinquinho/ Fifia/ Toinho de Sales/ Sissi/ Tetê/ Rita Leite

05/12/2010 – Domingo
NOITE DAS FAMÍLIAS/ CÂMARA MUNICIPAL
19:00 hs – Missa
Tema: Família: Célula mãe da sociedade.
Pe. João
Resp.: Lubes/ Zé/ Ester/ Bergue/ José Sérgio/ Rosalba de Altemar.

06/12/2010 – Segunda – Feira
NOITE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO/JUVENTUDE / COROINHAS/ CATEQUESE E GRUPOS MÃE RAINHA
19:00 hs – Missa
Tema: A juventude e a valorização da vida.
Pregador: pe. Gerônimo
Resp.: Jailma/ Ueldo/ Ronny Kliver/ Ivanildo/ Marcos/ Kelyanne/ Loudes/Nazinha/ Salete e Nenzinha

07/12/2010 – Terça-Feira
NOITE DOS MOTORISTAS / EQUIPE DE LITURGIA
19:00 hs – Missa
Tema: Com Nossa Senhora: queremos nos comprometer para promover e defender a vida.
Pregador: Pe. Possídio
Resp.: Didito/ Charles/ Edson/Neinha/Ercílio/Mazinha/Rita/Terezinha do Carmo/ Maria Helena Leite / Altemar de Rosalba.

08/12/2010 – Quarta-Feira
ENCERRAMENTO
17:00 hs - Procissão de encerramento
18:00 hs – Missa Solene da festa e arreamento das bandeiras
Resp.: Todas as Pastorais.

EVENTOS SOCIAIS
29/11 – Às 21:00 hs Na Praça da Igreja Show Da “A Mais Bela Voz” do pólo Regional. Resp.: Dércio e Paulinho. Logo após festa dançante.
04/12 – Festa dançante
06/12 – sorteio
07/12 – Leilão

OBS.: Todas as noites funcionarão: barracas com bebidas e comidas, jantares Comunitários e Música ao vivo.

LITÚRGIA 03 PARTES DA MISSA- ABERTURA DA MISSA


ABERTURA DA CELEBRAÇÃO

Observando-se a Liturgia da Missa, vemos que ela inicia-se com o canto e a procissão de entrada. A seguir, o sacerdote dialoga com a comunidade, acolhendo-a em nome de Deus. Segue-se o ato penitencial, as aclamações e súplicas e a oração conclusiva.

Estes ritos têm por finalidade:

o Reunir os fiéis, possibilitando-lhes uma comunhão;
o Dispô-los a ouvir com proveito a Palavra de Deus;
o E a celebrar frutuosamente a Eucaristia.


O Canto De Entrada e "Sinal da Cruz"

O canto está a serviço do louvor de Deus e de nossa santificação. Quem canta, reza duas vezes. Não é apenas para embelezar a Missa, mas para nos ajudar a rezar. O canto de entrada deverá estar em plena sintonia com o momento litúrgico que se celebra. Ele tem a função de:

o favorecer a união dos fiéis;
o Criar um clima festivo;
o Introduzir o povo no mistério ou festa celebrados;
o Acompanhar a procissão de entrada do celebrante e ministros.

Durante o Canto de Entrada, o celebrante que preside a Missa, acompanhado dos Ministros ou Acólitos, dirige-se para o altar. Faz uma inclinação profunda e depois beija o altar. O beijo tem um endereço: não é propriamente para o mármore ou a madeira do altar, mas para o Cristo, que é o centro de nossa piedade. A procissão de entrada deve ser solene, passando pelo meio do povo, especialmente nos dias festivos. Neste momento o Presidente faz o sinal da cruz e toda a Assembléia o acompanha, dizendo ao final, Amém. A expressão "Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo", tem um sentido bíblico: não quer dizer apenas o "nome", como para nós, ocidentais. "Nome", em sentido bíblico, quer dizer a própria pessoa. Isto significa dizer que iniciamos a Missa colocando a nossa vida e toda a ação nas mãos da Santíssima Trindade.


O diálogo do Celebrante com o povo

Estabelece uma comunicação inicial, criando a comunhão. Pela saudação, o celebrante significa à Assembléia a presença do Senhor no meio do seu povo. A resposta é o reconhecimento desta presença. O diálogo simboliza o mistério da Igreja reunida e vem atualizar o encontro de Cristo com o seu povo.
Preparação Penitencial

Os fiéis, unidos pelos cantos e diálogos, conscientes de sua reunião em Cristo e de sua presença na assembléia confessam que são pecadores se reconciliam entre si e com Deus.

Após um momento de silêncio, usa-se uma das seguintes fórmulas:
I Formula

TODOS: Confesso a Deus todo-poderoso / e a vós, irmãos, / que pequei muitas vezes / por pensamentos e palavras, / atos e omissões, / (e, batendo no peito, dizem) por minha culpa, minha tão grande culpa. / E peço à Virgem Maria, / aos anjos e santos / e a vós, irmãos, / que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor.

II Formula

CEL: Senhor, que viestes salvar os corações arrempendidos, tende piedade de nós.

ASS: Senhor, tende piedade de nós.

CEL: Cristo, que viestes chamar os pecadores, tende piedade de nós.

ASS: Cristo, tende piedade de nós.

CEL: Senhor, que intercedeis por nós junto do Pai, tende piedade de nós.

ASS: Senhor, tende piedade de nós.

CEL: Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.
ASS: Amém!


Canto do Glória

É o hino pelo qual a Igreja louva, agradece e suplica ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo

O Glória pode também ser recitado, como segue:

CEL: Glória a Deus nas alturas
ASS: e paz na terra aos homens por ele amados. / Senhor Deus, rei dos céus, Deus Pai todo-poderoso: / nós vos louvamos, / nós vos bendizemos, / nós vos adoramos, / nós vos glorificamos, / nós vos damos graças / por vossa imensa glória. / Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito, / Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai. / Vós que tirais o pecado do mundo, / tende piedade de nós. / Vós que tirais o pecado do mundo, / acolhei a nossa súplica. / Vós que estais à direita do Pai, / tende piedade de nós. / Só vós sois o Santo, / só vós, o Senhor, / só vós, o Altíssimo, / Jesus Cristo, / com o Espírito Santo, / na glória de Deus Pai, / Amém

O Canto do Glória é um hino antiquíssimo e venerável, pelo qual a Igreja, congregada no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus Pai e ao Cordeiro, é cantado pela Assembléia dos fiéis ou pelo povo que o alterna com o grupo de cantores ou pelo próprio grupo de cantores. Se não for cantado, dever ser recitado por todos, juntos ou alternadamente.

O Canto do Glória é cantado ou recitado aos domingos, exceto no tempo do Advento e da Quaresma, nas solenidades e festas e ainda em celebrações especiais mais solenes


Oração do dia (coleta)

O celebrante, em nome de toda a Igreja reunida, se dirige a Deus, por intermédio de Jesus Cristo. Há sempre uma oração do dia para cada momento litúrgico, conforme estabelece o Missal Romano, cuja versão para a língua portuguêsa, para o Brasil, foi aprovada pela Comisssão Episcopal de Textos Litúrgicos (CETEL), da CNBB, em uso desde 25/09/91. A oração da coleta exprime a índole da celebração e dirige, pelas palavras do celebrante, uma súplica a Deus Pai, por Cristo, no Espírito Santo.

Aqui todos os fiéis oram, em silêncio, por algum tempo. No fim da oração a Assembléia aclama com um Amém. Em seguida todos sentam-se para ouvir com atenção a Liturgia da Palavra.


FONTE: http://www.mundocatolico.org.br/missal.htm

Bispos pede fim da violência no Rio de Janeiro





Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani mostrou preocupação com os casos de violência
"A Igreja sempre esteve ao lado das pessoas e continuará sempre", afirmou o Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), Dom Orani João Tempesta, em entrevista à TV Canção Nova. O arcebispo se mostrou preocupado com os acontecimentos violentos que têm ocorrido nos últimos dias na cidade carioca.

Dom Orani afirmou que a Igreja está unida "a todos aqueles que sofrem dificuldades, aqueles que perderam entes queridos", mas, ao mesmo tempo, "apela para que a paz reine (...) pelo fim da insegurança e da violência".

"Que o trabalho social, o trabalho de segurança, ajude cada vez mais nossa cidade a conquistar momentos de paz e tranquilidade", destacou.

O arcebispo concluiu afirmando que a Igreja também tem se empenhado para conquistar a paz. "A Igreja, solidária a todos, reza e também atua, tanto no trabalho social, como no trabalho cultural, para que através da educação, saúde, habitação, lazer e cultura, o nosso mundo seja cada melhor, cada vez mais lindo e mais em paz".


LITÚRGIA 02 CORES LITÚRGICAS



Branco
- Usado na Páscoa, no Natal, nas Festas do Senhor, nas Festas de Nossa Senhora e dos Santos, exceto dos mártires. Simboliza alegria, ressurreição, vitória, pureza e alegria.
Vermelho
- Lembra o fogo do Espírito Santo. Por isso é a cor de Pentecostes. Lembra também o sangue. É a cor dos mártires e da sexta-feira da Paixão.É`tambem usada em tempos de festas.
Verde
- Se usa nos domingos do Tempo Comum e nos dias da semana. Está ligado ao crescimento, à esperança.
Roxo
- Usado no Advento e na Quaresma. É símbolo da penitência e da serenidade. Também pode ser usado nas missas dos defuntos e na confissão.
Preto
- É sinal de tristeza e luto. Hoje é pouco usado na liturgia.
Rosa
- O rosa pode ser usado no 3º domingo do Advento (Gaudete) e 4º domingo da Quaresma (Laetare).

Sacramentos 02 Batismo


O Batismo é o nascimento. Como a criança que nasce depende dos pais para viver, também nós dependemos da vida que Deus nos oferece. No Batismo, a Igreja reunida celebra essa experiência de sermos dependentes, filhos de Deus. Pelo Batismo, participamos da vida de Cristo. Jesus Cristo é o grande sinal de que Deus cuida de nós. O santo Batismo é o fundamento de toda a vida cristã, a porta da vida no Espírito e a porta que abre o acesso aos demais sacramentos. Pelo Batismo somos libertados do pecado e regenerados como filhos de Deus, tornamo-nos membros de Cristo, somos incorporados à Igreja e feitos participantes de sua missão: "Baptismus est sacramentum regenerationis per aquam in verbo - O Batismo é o sacramento da regeneração pela água na Palavra". Quando recebemos o Sacramento do Batismo, transformamo-nos de criaturas para Filhos Amados de Deus. Muitos pensam que os sacramentos em geral são obras eclesiásticas, ou seja, os sacramentos são "invenções" da Igreja. Isso não é verdade, os sacramentos são sem sombra de dúvidas criadas por Jesus Cristo, o próprio Deus Encarnado. O profeta João Batista, primo de Jesus, que veio ao mundo para preparar os caminhos para a vinda do Messias, foi quem batizava as pessoas para a vinda de Cristo (Mc 1, 2s). Ele sabia que o seu Batismo era temporário, pois logo depois dele viria o seu primo Jesus que batizaria no Espírito Santo, ou seja, o profeta batizava com água e Jesus batizava com o Espírito Santo. A Bíblia sugere o batismo de todos, o que inclui as crianças. Atos 2, 38-39: "Disse-lhes Pedro: 'Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo. A promessa diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos que estão longe - a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar'." E também outras passagens. (ver Atos 16, 15; Atos 16, 33; Atos 18, 8; 1Coríntios 1, 16)

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Para me afastar do pecado...


Ultimamente Deus tem mostrado muito a mim sobre o pecado, e deixado cada vez mais claro que os Seus filhos não necessitam de pecado algum para serem felizes.

Sabemos o quanto o pecado nos faz mal, nos traz doenças espirituais, físicas e nos deixam sujos! Como se tivéssemos atravessado uma lama, como se tivéssemos experimentado ficar num chiqueiro por um tempo. Apesar disso, o inimigo faz com que o pecado seja bonitinho, seja gostoso de experimentar.

O pecado nunca vem em sua forma normal, como lama, sempre vem embrulhadinho, com uma fitinha vermelha de seda para nos seduzir. Ficamos alienados quando vemos aquele presentinho, por um momento perdemos a cabeça e se não estivermos com nossos pensamentos e coração em Deus, não haverá como nos esquivar do pecado.

A força e a vontade de jogar o pecado fora, de recusar o presente que o demônio nos oferece é a primeira tarefa para se afastar do pecado. Depois a oração, quando vier a tentação comece em pensamentos a rezar, coloque seu coração em Deus, e peça ao Espírito Santo e a Santíssima Virgem que o tire daquela situação. Logo após, se alegre por ter vencido uma batalha, e agradeça a Deus por tê-lo livrado daquela lama fétida.

Caríssimo irmão, não necessitamos do pecado para sobreviver. Nosso oxigênio, nossa água, nosso alimento é Jesus Cristo! Pode parecer doloroso segui-lo, e é sim, mas servir o pecado é muito mais doloroso. Com a Força do Amor de Deus a dor se vai, e você, mesmo na dor, vive sorrindo.
Deus te abençoe! Lute sempre, não desista, você consegue!

OS SETE SACRAMENTOS DA IGREJA


1. O que são os sacramentos?
Os sacramentos são sinais sensíveis e eficazes da graça, instituídos por Jesus Cristo e confiados à Igreja, através dos quais nos é dispensada a vida divina. Sinal sensível é uma coisa conhecida que manifesta outra menos conhecida; se vejo fumaça, descubro que existe fogo. Mas dizemos também sinal eficaz porque o sacramento não só significa, mas que produz a graça (a fumaça só significa fogo, mas não o produz).

2. O porque da instituição dos sacramentos?

Podemos nos perguntar por que Cristo quis fazer assim as coisas. Ele pode comunicar a graça diretamente, sem recorrer a nenhum meio sensível, ainda que tenha querido acomodar-se a nossa maneira de ser, dando-nos os dons divinos por meio de realidades materiais que usamos, para que fosse mais fácil para nós consegui-los. No batismo, por exemplo, assim como a água purifica naturalmente, o sacramento purifica: o sacramento lava e limpa sobrenaturalmente a alma, tirando o pecado original e qualquer outro pecado que possa existir, mediante a infusão da graça. Esta foi a pedagogia de Cristo durante sua vida pública, servindo-se de coisas naturais, de ações externas e de palavras. Tocou com sua mão o leproso e lhe disse; "Quero, fica limpo" (Mateus 8,3); untou com barro os olhos do cego de nascimento e ele recuperou a vista (cf. João 9,6-7); para comunicar aos Apóstolos o poder de perdoar os pecados, soprou sobre eles e pronunciou umas palavras (cf. João 20,22). Assim como a Santíssima Humanidade de Cristo é o instrumento único à Divindade de que se serve o Verbo para realizar a Redenção da humanidade, assim as coisas ou ações dos sacramentos são os instrumentos separados pelos quais Deus nos santifica, acomodando-se a nossa maneira de ser e de entender.

3. Jesus Cristo instituiu os sete sacramentos.

Todos os sacramentos foram instituídos por Jesus Cristo -que é o autor da graça e pode comunica-la por meio de sinais sensíveis- e eles são sete: Batismo, Confirmação, Eucaristia, Penitência, Unção dos Enfermos, Ordem e Matrimônio. Nos sete sacramentos estão atendidas todas as necessidades da vida sobrenatural do cristão.

4. Os sacramentos da Igreja.

Cristo confiou os sacramentos a sua Igreja, e podemos dizer que são "da Igreja" em um duplo sentido: a Igreja faz ou administra ou celebra os sacramentos, e os sacramentos constroem a Igreja (o batismo gera novos filhos da Igreja, etc..). Existem, pois, por ela e para ela.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

ADVENTO 01



Meditemos com as palavras do nosso Papa Bento XVI, quando ainda era cardeal:

"Advento significa presença de Deus já começada, mas também apenas começada. Isto implica que o cristão não olha somente o que já foi e o que aconteceu, como também ao que está por vir. Em meio a todas as desgraças do mundo, tem a certeza de que a semente de luz segue crescendo oculta, até que um dia o bem triunfará definitivamente e tudo lhe estará submetido: no dia em que Cristo retorne. Sabe que a presença de Deus, que acaba de começar, será um dia presença total. E esta certeza o faz livre, dá-lhe um apoio definitivo".

Caríssimos amigos blogueiros e internautas, recordemos que as festas de fim de ano, ao contrário do que alguns vivem a dizer, não é um momento de tristeza pela saudade ou por aquilo que se deixou de fazer. É momento de esperança!

Recordemos também que o Natal não é a festa do aniversário de Jesus. No Natal comemoramos sua presença, sua encarnação para a nossa salvação e redenção... mas sobre isso conversaremos num outro momento...

TEMPO DO ADVENTO SE INICIA NO PRÓXIMO DOMINGO 28 DE NOVEMBRO DE 2010



Como fez para outros tempos do ano litúrgico, o Vaticano II enriqueceu notavelmente de leituras bíblicas o período do Advento. Os três ciclos para os quatro domingos, as leituras cotidianas da missa durante essas quatro semanas, apresentam um tesouro considerável, digno de uma atenta catequese.

O novo calendário romano, no n. 39, cuidou de exprimir o significado do Advento: "O tempo do Advento tem uma dupla característica: é tempo de preparação para a solenidade do Natal, em que se recorda a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens e simultaneamente é o tempo no qual, através desta recordação, o espírito é conduzido à espera da segunda vinda de Cristo no final dos tempos".

Esse significado envolve o lecionário inteiro: a escolha de cada perícope evangélica não só confere a cada celebração seu colorido litúrgico particular, mas determina, pelo menos para os grandes tempos do ano, a escolha das outras leituras ductilmente harmonizadas com ela.

A tonalidade de fundo que percorre o 1º domingo é a da espera vigilante do Senhor. Ele anuncia o seu retorno. Devemos estar alertas. As nações se reunirão. O dia está próximo (ciclo A). De fato, esperamos que o Senhor Jesus se revele. Quando vier, tudo será restaurado, o universo e cada um de nós (ciclo B). E preciso vigiar e estar pronto para comparecer de pé diante do Filho do homem. Um germe de justiça se instaurará no fim dos tempos, pelo que devemos estar firmes e irrepreensíveis (ciclo

Se o reino dos céus está próximo, é mister preparar os caminhos. É o tema específico do 2º domingo do Advento. O Espírito está sobre o Senhor e nele as promessas são confirmadas (ciclo A). Preparar os caminhos significa preparar um mundo novo, uma terra nova (ciclo B). Devemos saber ver a salvação de Deus, cobrir-nos como manto da justiça e revestir-nos do esplendor da glória do Senhor (ciclo C).

O 3º domingo apresenta os tempos messiânicos. Deus vem salvar-nos, a sua vinda está próxima, as curas são o sinal da sua presença (ciclo A). No meio de nós está alguém que não conhecemos. Exultamos pela presença de quem está marcado pelo Espírito (ciclo B). Um mais poderoso que João Batista deve chegar. Já está aqui. E esse o tempo da fraternidade e da justiça (ciclo C).

O 4º domingo do Advento anuncia a vinda iminente do Messias. José foi pré-advertido. Uma Virgem conceberá o Filho de Deus, Jesus Cristo, da estirpe de Davi (ciclo A). A noticia é comunicada a Maria. O trono de Davi será firme para sempre. O mistério calado por Deus durante séculos é agora revelado (ciclo B). Também Isabel agora sabe. De Judá sairá aquele que vai reger Israel. Ele vem para cumprir a vontade de Deus (ciclo C).

CNBB evita polêmica de declarações do papa sobre uso de preservativos


A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), porta-voz da Igreja Católica no país, evitou nesta segunda-feira a polêmica criada em torno da declaração do papa Bento 16, que admitiu a utilização de preservativos em certos casos para reduzir o risco de transmissão do vírus da Aids.

Em um livro que será lançado nesta terça-feira na Alemanha e na Itália, Bento 16 afirma que o uso de preservativos é aceitável "em certos casos", especialmente para reduzir o risco de infecção do HIV, mas insiste que não é a "verdadeira" maneira para combater a Aids --já que para ele é necessária uma "humanização da sexualidade".

Consultada pela agência de notícias France Presse, uma porta-voz disse que a CNBB esperará até ter o livro original em mãos para comentar as declarações.

Já o governo brasileiro elogiou as declarações do papa, que classificou como "muito positivas". "[Elas] nos permitem abrir uma discussão junto a grupos católicos que atuam na prevenção da Aids", disse Eduardo Barbosa, diretor-adjunto do Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids, do Ministério da Saúde.

Segundo Barbosa, ao admitir o uso de preservativos em casos como a prostituição, o papa permitiu que "tenhamos a possibilidade de incluir os preservativos masculinos e femininos nas ações que desenvolvemos com grupos como a Pastoral da DST/Aids, que depende da CNBB".

"Assim, poderemos incluir estes importantes agentes católicos em discussões sobre o sexo fora do casamento, por exemplo, e as possíveis ações sociais de prevenção de doenças. A credibilidade do papa abriu este espaço", continuou.

Barbosa lembrou ainda que o Brasil acaba de comprar 1,2 bilhões de preservativos que serão distribuídos gratuitamente pela rede de saúde pública nos próximos dois anos, incluindo 20 milhões de preservativos femininos.

O assessor nacional da Pastoral da DST/Aids, frei Luiz Carlos Lunardi, disse que a declaração do papa "acrescenta um dado importante para o contexto da realidade atual da Aids" e "lança luz sobre os desafios concretos que representa a epidemia da Aids".

"Em algumas situações, como indicou o papa, a pastoral pode considerar o uso do preservativo, sempre em direção ao bem maior que é salvar vidas", completou.
FONTE: CNBB

O que o Papa Bento XVI disse sobre a camisinha...

“Concentrar-se apenas no preservativo equivale a banalizar a sexualidade, e é justamente esta banalização o motivo de tantas pessoas não enxergarem na sexualidade uma expressão do amor, e sim uma espécie de droga, que aplicam a si mesmas.”

“Pode haver certos casos em que o uso do preservativo se justifique, por exemplo, quando uma prostituta usa um profilático. Este pode ser o primeiro passo no sentido de uma moralização, um primeiro ato de responsabilidade, consciente de que nem tudo está perdido e não se pode fazer tudo aquilo que se deseja.”
As duas falas acima são do papa Bento 16 em entrevista ao escritor alemão Peter Seewald. O encontro deu origem a um livro: “A Luz do Mundo, O Papa, A Igreja e Os Sinais dos Tempos - Uma Conversa com Bento XVI”. O trecho sobre o uso da camisinha ganhou as manchetes do mundo inteiro porque seria a) uma mudança de postura da Igreja; b) um avanço que contribuiria para combater a disseminação da Aids.

Incrível! De algum modo, as duas leituras revelam má consciência em relação ao pensamento da Igreja. Cuidemos da suposta mudança de opinião do papa. Não aconteceu. Segue a mesma no que concerne à sexualidade, e não há hipótese, nem agora nem depois, de o chefe da Igreja “liberar” o uso da camisinha porque não lhe cabe. Ele não é autoridade em saúde pública ou membro de algum comitê de controle da natalidade. É o líder espiritual de uma Igreja e uma referência moral.

Ocorre que todo católico — sejamos mais amplos: todo cristão —, confrontado com o inevitável, tem um compromisso com o mal menor, SEM, NO ENTANTO, JAMAIS ABRIR MÃO, COMO FAZ O PAPA, DE DEFENDER O PRINCÍPIO E DENUNCIAR O DESVIO. Convenham: dada a situação concreta, esperavam que o papa dissesse o quê?

...O papa, em última instância, está afirmando o óbvio: se o indivíduo DECIDIU ter uma relação de risco, é claro que ele deve se proteger. A Igreja não atua nessa área. Seu papel é buscar interferir nos mecanismos que o levam àquela decisão.

Reinaldo Azevedo (Jornalista)
FONTE: blog PJ Shalom de Mossoró

terça-feira, 23 de novembro de 2010

MONSENHOR JONAS ABIB: Unidos na mesma intercessão


“Como as mãos de Moisés ficassem pesadas, trouxeram uma pedra, puseram-na debaixo dele, e ele se sentou sobre ela. Um de cada lado, Aarão e Hur sustentavam-lhe as mãos, que assim se mantiveram firmes até o pôr-do-sol. E Josué passou Amaleq e seu povo ao fio da espada” (Ex 17,12-13). O tempo passa e não vemos resultado nenhum. Chegamos a pensar: “Será que Deus não está intervindo?” Não podemos pensar assim! Vencer todo o poder do mal não é fácil. É uma luta desleal: o inimigo de Deus sabe por onde nos “pegar”. É uma batalha que só venceremos pelo poder de Deus. “É vão qualquer socorro humano”. O Todo-poderoso quer e precisa que você ore continuamente, que interceda sem cessar e comece a se unir com outros para orar. Não ore sozinho. Se você pode orar com “Aarão” e “Hur”, ou seja, com mais alguém da sua casa, mesmo que seja uma criança, reze. Mas não esteja sozinho! É preciso salvar a todos. Aqueles que já são do Senhor precisam se unir na mesma intercessão, para que a graça aconteça: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor”. Só conseguiremos isso pela oração. Deus abençoe você!
Monsenhor Jonas Abib Fundador da Comunidade Canção Nova

De João Paulo II ao Jovens...


Precisamos de Santos sem véu ou batina.
Precisamos de Santos de calças jeans e tênis.
Precisamos de Santos que vão ao cinema, ouvem música e passeiam com os amigos.
Precisamos de Santos que coloquem Deus em primeiro lugar, mas que se “lascam” na faculdade.
Precisamos de Santos que tenham tempo todo dia para rezar e que saibam namorar na pureza e castidade, ou que consagrem sua castidade.
Precisamos de Santos modernos, santos do século XXI, com uma espiritualidade inserida em nosso tempo.
Precisamos de Santos comprometidos com os pobres e as necessárias mudanças sociais.
Precisamos de Santos que vivam no mundo, se santifiquem no mundo, que não tenham medo de viver no mundo.
Precisamos de Santos que bebam coca-cola e comam hot dog, que usem jeans, que sejam internautas, que escutem disc man(agora poderia dizer i pod…).
Precisamos de Santos que amem apaixonadamente a Eucaristia e que não tenham vergonha de tomar um refri ou comer uma pizza no fim-de-semana com os amigos.
Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro, de música, de dança, de esporte.
Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos, alegres, companheiros.
Precisamos de Santos que estejam no mundo; e saibam saborear as coisas puras e boas do mundo, mas que não sejam mundanos”.
(João Paulo II)

MUDANÇAS NA DIOCESE


Na Reunião que aconteceu esse final de semana, chamada de Zonal de Mossoró, foi apresentada por D. Mariano as mudanças na diocese para 2011, entre elas destacaram-se as transferências de alguns Párocos, o atual Administrador da Paróquia de São Manoel, Padre José Janedson, assume a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Pau dos Ferros; Já o Administrador Paroquial de Caraúbas,

Padre Gerônimo Dantas, vai está a frente em 2011 da Paróquia de Santa Luzia de Carnaubais e o Padre Francisco das Chagas Neto, que atualmente colabora na Paróquia de Santa Luzia, assume a Paróquia de São Sebastião em Caraúbas. Que Deus ilumine o trabalho de todos.
FONTE: blog da catedral de Santa Luzia de Mossoró

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

JOVENS EM OLHO D'AGUA DOS BORGES

VISITA DE SANTA LUZIA EM UMARIZAL

A paroquia do Sagrado Coração de Jesus, acolheu neste sábado com muita alegria, a imagem e relíquia de Santa Luzia da diocese de Mossoró. Junto da imagem e da relíquia veio um grupo de 32 pessoas, que cordenou a visita nas paroquias da diocese, onde neste final de semana, peregrinou por todo Médio Oeste. Acolhidos na igreja matriz do SCJ em Umarizal, com uma celebração da palavra presidida por Tibério, a imagem ficou na Matriz até as 17:30hs onde partiu para a cidade vizinha Martins. Confira algumas fotos da visita












COMEÇOU ONTEM A CAMPANHA PARA EVANGELIZAÇÃO 2010



“Em Cristo somos novas criaturas”. Este é o lema da Campanha para a Evangelização (CE) que começou neste domingo, 21, em todas as dioceses do Brasil. Aprovada pela 35ª Assembleia Geral da CNBB em 1997, a Campanha tem como objetivo arrecadar fundos para a sustentação do trabalho de evangelização da Igreja no Brasil.

A CE é realizada durante o advento e termina no dia 12 de dezembro. Nas celebrações deste dia é feita uma coleta em todas as paróquias e comunidades eclesiais.

A Campanha para a evangelização tem a finalidade de angariar fundos que garantam a continuidade da obra evangelizadora em nosso país”, explica o presidente da Comissão da CNBB responsável pela Campanha, dom Raymundo Damasceno Assis.

sábado, 20 de novembro de 2010

ESTUDOS DA LITURGIA DA MISSA PARTE-01


A missa, ou celebração da Eucaristia, não é a oração de um só homem, pois já não basta rezar só em casa; a igreja sempre foi e continua sendo a casa de Deus e o lugar de oração em comunidade. Jesus frequentava o Templo em Jerusalém com Maria, José e os Apóstolos. Jesus já dizia: "se dois de vós se unirem sobre a terra para pedir, o que seja, conseguirão de meu Pai que está nos céus. Porque onde dois ou três estão reunidos em meu nome, ai estou eu no meio deles" (Mt 18, 19-20).

É bom que cada fiél católico entenda bem cada parte da missa a fim de que a Santa Eucaristia não se constitua em um mero rito mecâncico, onde as pessoas só "copiam" o que as outras fazem (gestos, sinal da cruz, genuflexão, etc.) sem entender exatamente o que está acontecendo. A missa é igual para toda a Assembléia mas a maneira de cada um participar pode ser diferente pois depende da fé que as pessoas têm e também do grau de formação na religião. As vezes vamos fazendo muitas coisas sem saber por quê. Para participar da missa com fé e alegria, além da sua formação catequética básica, o fiel deve conhecer todas as etapas da liturgia da missa pois ninguém ama o que não conhece.

PARTES DA MISSA

A missa é composta pelas seguintes etapas:

*Abertura da Celebração;
*Liturgia da Palavra;
*Liturgia Eucarística;
*Rito Final


PADRE JOSE AUGUSTO: EVITAI AS MÁS COMPANHIAS


Quando Salomão ficou velho, suas mulheres desviaram-lhe o coração para outros deuses, seu coração já não pertencia integralmente ao Senhor, seu Deus, como o do seu pai Davi” (I Rs 11,4).
Salomão destacou-se diante de Deus como um homem sábio, mas aqueles que se julgam perfeitos e santos, cheios de sabedoria, sofrem riscos de cair, conforme nos afirma a Palavra:


“Portanto, quem julga estar de pé tome cuidado para não cair” (I Cor 10,12).

Salomão, com toda a sua sabedoria, acabou decepcionando a Deus em sua velhice. Ao se envolver com suas mulheres, envolveu-se também com os cultos pagãos que elas praticavam e, o seu coração deixou de ser inteiramente de Deus.
Podemos estar muito bem com Deus e ser tentados justamente em nossa fraqueza: álcool, drogas ou tantas outras coisas.
Sendo assim, não podemos perder os primeiros ensinamentos que recebemos da Igreja. Precisamos ouvir a voz do Papa e também dos Bispos e Padres que estão ligados a ele, senão, correremos o risco de ficar confusos, tendo uns e outros nos ensinando o que quiserem.
É cômodo para nós, procurar as amizades que nos convêm; buscar quem nos fale o que queremos ouvir, mas o perigo de relacionamentos assim, está justamente na influência que exercem ou podem exercer sobre nós. Sem que percebamos, eles nos fazem viver no pecado também. Por isso, é preferível não conviver com estar pessoas e nem freqüentar os lugares de pecado que elas freqüentam.
Há aqueles que nos vêem passar por dificuldades e logo chegam para nos incitar ao pecado. Na época do desemprego, nos oferecem meio ilícitos de ganhar dinheiro, nos apresentam propostas tentadoras...
Se você foi liberto recentemente das drogas e ainda possui amigos que as utilizam, reflita no que o Senhor nos diz: “Não andes com eles”, nem mesmo se você sentir-se cheio do Espírito Santo e acreditar ser capaz de convertê-los.
Salomão, mesmo cheio de sabedoria, andou com os que estavam no pecado e acabou caindo em tentação. Afaste-se das pessoas que poderão levá-lo para o outro lado!
(...) A tendência de quem está em más companhias é se distanciar de Jesus. Aos poucos, convivendo com as situações de pecado, acostumando-se a elas, as pessoas começam a gostar de alguns ambientes, de certas musicas, vão abrindo exceções, perdendo o fervor e, quando notam, já estão no pecado. O poder da tentação nos faz esquecer de todos os mandamentos do Senhor; por isso, não queira se fazer forte, pois você não é. Somente Jesus é forte!
Precisamos estar com Jesus; ou somos da companhia de Jesus, ou somos da companhia do inimigo. Não dá para ser parcialmente de Deus, precisamos ser inteiramente Dele.


Do livro: “O meu lugar é o Céu”

PADRE JOSE AUGUSTO

FONTE: site da Cançao Nova

CONHEÇA OS 7 DONS DO ESPIRITO SANTO


50 dias após a ressurreição (Páscoa), Jesus cumpre sua promessa, enviando o Espírito Santo sobre os Apóstolos. O Espírito Santo é a ação de Deus em favor da vida. Cheios do Espírito, os discípulos saíram para anunciar a boa nova. No Sacramento do Batismo e no da Crisma recebemos, como os Apóstolos, o Paráclito e seus 7 dons para continuar a obra evangelizadora do Senhor.

OS SETE DONS DO ESPÍRITO SANTO SÃO:

SABEDORIA

É o dom de perceber o certo e o errado, o que favorece e o que prejudica o projeto de Deus. Por este dom buscamos não as vantagens deste mundo, mas o Bem Supremo da vida, que nos enche o coração de paz e nos faz felizes. Diz o Senhor: "Feliz o homem que encontrou a sabedoria… Ela é mais valiosa do que as pérolas" (Cf. Pr 3,13-15).

ENTENDIMENTO

É o dom divino que nos ilumina para aceitar as verdades reveladas por Deus. Mesmo não compreendendo o mistério, entendemos que ali está a nossa salvação, porque procede de Deus, que é infalível. O Senhor disse: "Eu lhes darei um coração capaz de me conhecer e de entender que Eu sou o Senhor" (Jr 24,7).

CONSELHO

É o dom de saber discernir caminhos e opções, de saber orientar e escutar, de animar a fé e a esperança da comunidade. Mas o Senhor disse-lhe: "Não te deixes impressionar pelo seu belo aspecto, porque eu o rejeitei. O que o homem vê não é o que importa: o homem vê a face, mas o Senhor vê o coração" (1 Sm 16,7).

CIÊNCIA

É o dom de saber interpretar e explicar a Palavra de Deus. Por este dom, o Espírito Santo nos revela interiormente o pensamento de Deus sobre nós, pois "os mistérios de Deus ninguém os conhece, a não ser o Espírito Santo" (1 Cor 2,10-15).

PIEDADE

É o dom de estar sempre aberto à vontade de Deus, procurando agir como Jesus agiria e identificando no próximo o rosto de Cristo. É o dom pelo qual o Espírito Santo nos dá o gosto de amar e servir a Deus com alegria. "O Reino de Deus não consiste em comida e bebida, mas é justiça, paz e alegria no Espírito Santo" (Rm 14,17).

FORTALEZA

É o dom de resistir às seduções, de ser coerente com o Evangelho, de enfrentar riscos na luta por justiça, de não temer o martírio. São Paulo confiava no dom da fortaleza. Ele disse: "Se Deus está conosco, quem será contra nós?" (Rm 8,31).

TEMOR DE DEUS

Não quer dizer "medo de Deus", mas medo de ofender a Deus. Sendo Ele o nosso melhor amigo, temos o receio de não lhe estarmos retribuindo o amor que lhe é devido. Mais do que temor, é respeito e estima por Deus. "Ouve, ó Israel" O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e com todas as tuas forças" (Dt 6,4-5).

O nosso auxílio vem do Espírito Santo


Precisamos buscar o auxílio no Espírito Santo para suportar as prisões e os sofrimentos que nos aguardam. Muitas vezes, somos escravos da concupiscência, de nossos afetos desordenados, do querer possuir sempre mais, tornando-nos até escravos da vaidade, do egoísmo e demais sentimentos maléficos.
O Senhor abre nossos olhos para percebermos que a única força a nos dominar deve provir da ação do Espírito Santo. Deus nos ensina a não pararmos nas cadeias e nos sofrimentos deste mundo; a sermos produtivos e perseverantes na construção de Seu Reino também nas dificuldades.
Precisamos viver o tempo que nos foi concedido de forma plena; o tempo, que se chama hoje, seja ele de alegria ou de tribulação, tendo a graça do Divino Espírito Santo como suporte para as nossas ações.
Abramos o coração com confiança para que a sabedoria de Deus Pai nos alcance e nos ensine o caminho a seguir. Há um tempo para cada coisa debaixo do céu como nos ensinam as Sagradas Escrituras, e em tudo e em todo o tempo, o que deve dirigir a nossa vontade é a força do Espírito Santo, de forma a vivermos – por meio da oração e da vivência dos sacramentos – a prática das virtudes e das boas ações ao próximo.
Por essa razão, não perca tempo, fale com o Senhor sobre tudo que está em seu interior e acredite que tudo, no tempo certo, será resolvido de acordo com os desígnios do Altíssimo.
Jesus, eu confio em Vós!

FONTE: blog el olam

Igreja Católica sobe para 2º lugar no ranking de instituições mais confiáveis


Uma pesquisa que aponta o Índice de Confiança na Justiça (ICJ Brasil), feita pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), revela que a Igreja Católica está em 2º lugar no ranking de confiança das instituições. Com 54%, ela fica atrás apenas das Forças Armadas, que têm 66%.

Antes a Igreja ocupava a 7ª posição, com 34%. Houve, portanto, um aumento de 60% no terceiro trimestre deste ano em comparação com os três meses anteriores.

"A Igreja só perde para as Forças Armadas e ganha de longe do governo federal e, inclusive, das emissoras de TV que normalmente são instituições consideradas confiáveis pela população", disse a professora da Direito GV e coordenadora do ICJ Brasil Luciana Gross Cunha.

O ICJ Brasil foi criado pela Escola de Direito da FGV para verificar o grau de confiança no Judiciário e como a população utiliza o poder para a reivindicação de direitos e busca por soluções. Nesta pesquisa o Judiciário aparece em 8º lugar com 33%.

Outras instituições tiveram o seguinte resultado: Grandes Empresas (44%); Emissoras de TV (44%); Governo Federal (41%); Imprensa escrita (41%), Polícia (33%); Congresso Nacional (20%) e os partidos políticos (8%).
FONTE: blog da diocese de Mossoró

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

OS 30 "QUÊS" DE UMA PESSOA MADURA NA FÉ


Estamos num mundo completamente pluralista, por isso precisamos nos tornar verdadeiros especialistas em matéria de fé e conversão. Se não for dessa forma, os cristãos “mais ou menos” não vão resistir; daí a necessidade de um amadurecimento real e concreto na fé. O Projeto Nacional de Evangelização (2004 – 2007) diz que é preciso ter e levar os outros ao encontro pessoal com Jesus, pois só assim vamos nos tornando maduros na fé, que nada mais é do que sermos crianças nas mãos de Deus. Livres da maturidade somente humana que questiona tudo vamos a caminho de sermos verdadeiros cristãos com coluna vertebral. Textos-base para um aprofundamento e um exame de consciência a respeito da nossa fé: 1 Cor 3, 1-9; Heb 5, 12-14; Ef 4, 11-15.

A pessoa que tem uma fé vivida de forma madura com Deus é uma pessoa:


01 – Que escolhe inteiramente por Deus.
02 – Que sabe discernir a Vontade de Deus.
03 – Que faz a Vontade de Deus até o fim.
04 – Que vive o Evangelho sem questionamentos.

05 – Que é livre em Deus.

06 – Que sabe obedecer.
07 – Que sabe reconhecer os sinais do tempo.
08 – Que vive uma individualidade e não um individualismo.

09 – Que é capaz de viver a alteridade.
10 – Que vive uma fé com obras.


A pessoa que tem uma fé vivida de forma madura com o próximo é uma pessoa:

01 – Que pergunta, sem duvidar do próximo.

02 – Que vive a fé com o próximo.
03 – Que consegue se adaptar com o diferente.
04 – Que se alegra com o crescimento do próximo.
05 – Que reconhece o outro por também ser um filho de Deus.
06 – Que sabe o seu papel na sociedade.
07 – Que contagia o próximo com a santidade.
08 – Que tem como única competição amar mais o próximo.
09 – Que ama com caridade.
10 – Que é original na fé e na opinião.


A pessoa que tem uma fé vivida de forma madura consigo é uma pessoa:


01 – Que tem autonomia na fé.

02 – Que é perseverante, mesmo no sofrimento.
03 – Que se engaja e se compromete.
04 – Que é especialista no que faz.

05 – Que é como para-raios na intercessão.
06 – Que conhece a própria verdade.
07 – Que assume as experiências vividas.
08 – Que sabe receber elogios e também as críticas.
09 – Que sabe falar, mas também escutar.

10 – Que se deixa trabalhar no temperamento pelo Espírito de Deus.

fonte: site da Canção Nova

BLOG CHEGA A 1000 VISITANTES


QUE ALEGRIA, SABER QUE MEU TRABALHO EVANGELIZADOR ESTA SURTINDO EFEITO, DE PODER LEVAR A MENSAGEM DE DEUS A TODOS OS VISITANTES DESTE BLOG. MAIS DE 1000 VISITAS SIGNIFICA 1000 MIL PESSOAS QUE BUSCA AS COISAS DE DEUS AS COISAS DO ALTO. A VOCÊS O MEU MUITO OBRIGADO CONTINUE NA FÉ, NA BUSCA DO REINO DE DEUS. PROMETO QUE TRAREI MAIS CONTEÚDO PRA VOCÊS. AGRADEÇO DE TODO CORAÇÃO PELA CREDIBILIDADE.
QUE DEUS ABENÇOE VOCÊS.

Por que a Igreja guarda o Domingo e não o Sábado?


O motivo mais importante é que Jesus ressuscitou no Domingo, inaugurando a “nova Criação” libertada do pecado. Assim o Domingo (= dominus, dia do Senhor) é a plenitude do Sábado judaico. Sabemos que o Antigo Testamento é um figura do Novo; o Sábado judaico é um figura do Domingo cristão. O Catecismo da Igreja assim explica:

§2175 – “O Domingo distingue-se expressamente do sábado, ao qual sucede cronologicamente, cada semana, e cuja prescrição ritual substitui, para os cristãos. Leva à plenitude, na Páscoa de Cristo, a verdade espiritual do Sábado judaico e anuncia o repouso eterno do homem em Deus. Com efeito, o culto da lei preparava o mistério de Cristo, e o que nele se praticava prefigurava, de alguma forma, algum aspecto de Cristo (1Cor 10,11)”.

Os Apóstolos celebravam a Missa “no primeiro dia da semana”; isto é, no Domingo, como vemos em At 20,7: “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos para a fração do pão…” Em Mt 28, 1 vemos: “Após o Sábado, ao raiar o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria vieram ao Sepulcro…” Em Ap 1, 10, São João fala que “no dia do Senhor, fui movido pelo Espírito…” e a coleta era feita “no primeiro dia da semana” (1Cor 16,2).

A Epístola de Barnabás (74 d.C.) um dos documentos mais antigos da Igreja, anterior ao Apocalipse, dizia: “Guardamos o oitavo dia (o domingo) com alegria, o dia
em que Jesus levantou-se dos mortos” (Barnabás 15:6-8).

Santo Inácio de Antioquia (†107), mártir no Coliseu de Roma, bispo, dizia: “Aqueles que viviam segundo a ordem antiga das coisas voltaram-se para a nova esperança, não mais observando o Sábado, mas sim o dia do Senhor, no qual a nossa vida foi abençoada, por Ele e por sua morte” (Carta aos Magnésios. 9,1).

“Devido à Tradição Apostólica que tem origem no próprio dia da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra o mistério pascal a cada oitavo dia, no dia chamado com razão o dia do Senhor ou Domingo” (SC 106). O dia da ressurreição de Cristo é ao mesmo tempo “o primeiro dia da semana”, memorial do primeiro dia da criação, e o “oitavo dia”, em que Cristo, depois do seu “repouso” do grande Sábado, inaugura o dia “que o Senhor fez”, o “dia que não conhece ocaso”. (Cat. §1166)

São Justino (†165), mártir, escreveu: “Reunimo-nos todos no dia do sol, porque é o primeiro dia após o Sábado dos judeus, mas também o primeiro dia em que Deus, extraindo a matéria das trevas, criou o mundo e, neste mesmo dia, Jesus Cristo, nosso Salvador, ressuscitou dentre os mortos“ (Apologia 1,67).

São Jerônimo (†420), disse: “O dia do Senhor, o dia da ressurreição, o dia dos cristãos, é o nosso dia. É por isso que ele se chama dia do Senhor: pois foi nesse dia que o Senhor subiu vitorioso para junto do Pai. Se os pagãos o denominam dia do sol, também nós o confessamos de bom grado: pois hoje levantou-se a luz do mundo, hoje apareceu o sol de justiça cujos raios trazem a salvação.” (CCL, 78,550,52)

Desta forma a Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição da Apostólica nos mostram porque desde a Ressurreição do Senhor a Igreja guarda o Domingo como o Dia do Senhor.
FONTE:
blog do Prof. Felipe Aquino

A adoração nos tira das garras do inimigo


Nos momentos em que não conseguimos rezar, é provável que estejamos envolvidos numa grande tentação, num redemoinho que envolve nossos sentimentos, nossa vontade e nossa carne. Nesse redemoinho de tentação, a oração no Espírito nos salvará do pecado.

A adoração nos tira das garras do inimigo. Mesmo sem palavras, adoramos ao Senhor em espírito. Diante do Trono da Graça, a divindade d'Aquele que nos amou, nos escolheu e nos salvou age em nós e, assim, somos vitoriosos. Na adoração, a tentação é obrigada a ceder.

Peça ao Espírito Santo a graça de viver essa adoração, peça a Ele que você adore “em espírito e em verdade”.

"Mas vem a hora, e já chegou, em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e em verdade, são esses adoradores que o Pai deseja. Deus é Espírito, e os seus adoradores devem adorá-lo em espírito e em verdade" (João 4, 23-24).

Deus abençoe você!

Monsenhor Jonas Abib
FONTE: site Canção Nova

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

VISITA DA IMAGEM E RELIQUIA DE SANTA LUZIA EM UMARIZAL


Atenção Umarizal, neste dia 20 de Novembro a nossa cidade recebera diretamente de Mossoro a imagem e relíquia de Santa Luzia da catedral de Mossoro o a visite tem como divulgar a festa da padroeira da diocese em Mossoro de 03 a 13 de Dezembro na catedral de Mossoro. A visita da imagem e relíquia esta prevista para 4h da tarde na igreja matriz do Sagrado Coração de Jesus você é o nosso convidado

POR QUE NÃO CONSIGO AMAR?


O problema é que a maioria de nós quer amar as pessoas com o amor que temos por elas e com nossa maneira de ser, o que é um erro clássico e muito grave. É que as pessoas somente são amadas quando, de fato, se sentem amadas. Isso significa que devo amar as pessoas da maneira como elas se sentem amadas e nunca com o amor que eu julgo possuir por elas. Amar do meu jeito? Cuidado! Quem pensa amar assim corre o risco de fazer do amor um ato de egoísmo! Por favor, medite sobre isso!
Ricardo Sá

FONTE: site da Cação Nova

O PECADO


I- Um dos grandes objetivos da Bíblia é tratar dos fatos da vida humana, estabelecer a sua significação e efeito, e algumas vezes derramar luz sobre a sua causa. No caso do pecado há dois fatos principais: a) O homem é pecador; b) Todos os homens cometem pecado. Pode, portanto esperar-se que a Bíblia derramará luz sobre o sentido da palavra pecado e sobre seus efeitos; e nos fará conhecer a causa da sua influência universal nos homens e o remédio para esse grande mal. II- Segundo a Bíblia, a causa dos pecados encontra-se duma maneira definitiva (tanto quanto se considera a vida terrestre) no pecado de Adão e Eva, com as suas conseqüências, transmitidas à posteridade. A este fato se chama a Queda. Basta dizer-se aqui, que, por mais baixo que estivesse o primeiro homem na escala da humanidade, se ele era homem devia ter tido, na verdade, algum conhecimento rudimentar do bem ou do mal; e depois da sua primeira voluntária desobediência ao que lhe dizia a consciência, devia ter ficado numa situação moral inferior à dos tempos passados. A primeira transgressão feita com conhecimento do mal não pôde deixar de ser uma queda moral, por maior que fosse a sua sabedoria adquirida no caminho da vida. Além disso há razão para acreditar que as crianças, nascidas após a queda, haviam certamente de participar da natureza dos seus pais, a ponto de ficarem mais fracas com respeito à moralidade do que não tendo os seus pais transgredido. Esta crença muito razoável apresenta-se como sendo o pensamento central da narrativa de Gn 3. O escritor bíblico está, evidentemente, revelando mais do que a simples enunciação do pecado de Adão e Eva como tal. Ele deseja fazer ver que a pena alcançou toda a humanidade. Todos entram no mundo com a tendência original duma modificada natureza para o mal. Não é, por conseqüência, para admirar que cada pessoa realmente caia no pecado. Nos capítulos seguinte são plenamente expostos os terríveis e profundos efeitos daquele primeiro pecado. III- Os diferentes aspectos do pecado, que se apresentam aos escritores bíblicos, podem ver-se do modo mais próprio nos vários nomes que lhe dão. Porquanto a Bíblia é muito rica em termos que significam o pecado, o mal, a iniquidade, a maldade, podendo ser mencionados neste lugar os mais importantes:

RECEBAMOS JESUS EM NOSSAS CASAS



Jesus entra em Jericó, que é a cidade mais antiga do mundo, com cerca de 10 mil anos. Essa cidade se encontra no deserto da Judeia. Ali mora uma pessoa muito odiada por todos pelo fato de ser cobrador de impostos – profissão que se caracteriza numa traição ao seu povo, pois toma impostos dos próprios irmãos conterrâneos, para serem dados ao Império Romano. Esta pessoa, cobradora de impostos, odiado por todos, é Zaqueu.
Zaqueu é esta pessoa, segundo Lucas, de estatura baixa e, como qualquer pessoa, por mais que se encontre perdida, em seu mais íntimo possui uma sede de felicidade, de realização, que o dinheiro não lhe trouxe e nunca trará. Ele é um homem rico, mas paupérrimo em seu mais íntimo nos valores e nas virtudes.


Zaqueu sobe no sicômoro na perspectiva de ver este tal de Jesus e poder ser acolhido por Ele; o Senhor também o vê. A surpresa para Zaqueu é que, além de ter visto o Senhor, Ele lhe diz que quer ir à sua casa. Zaqueu, surpreso e maravilhado, não desce da árvore, e sim, desaba – acredito eu.
Em casa de Zaqueu, Jesus o ama profundamente, fazendo refeição e partilhando a vida com aquele que, nem ele mesmo acreditava mais em si. O que mais me deixa maravilhado nesta passagem acerca do encontro de Cristo com Zaqueu é que Lucas – profundamente detalhista no seu Evangelho – não narra o assunto, a partilha que Zaqueu teve com Jesus. Isso é para nos dizer que aquilo que se encontra no mais íntimo do nosso coração, a nossa intimidade, é uma realidade que não diz respeito a ninguém; mas somente a nós e a Jesus.
Cristo passa hoje pela vida de cada um de nós. Creio profundamente que esta árvore hoje não seja um sicômoro, mas sim Nossa Senhora. Por quê? Porque Maria é esta árvore, cujo fruto é Jesus Cristo, o Salvador da humanidade. Para termos o fruto da vida, que é Jesus, subamos nesta árvore que é Nossa Senhora, ou seja, sejamos íntimos da Virgem Maria para que possamos acolher Jesus Cristo – o fruto da vida – em nossa vida.
A maior causa pela qual não estamos gestando frutos de santificação em nós se dá pelo fato de não estarmos impregnados de Maria; o Espírito Santo não realiza as grandes maravilhas que quer realizar, não porque não pode ou não quer; pelo contrario. O Espírito Santo não encontra almas apaixonadas pela Sua Esposa – Nossa Senhora. Quando o Espírito Santo encontra uma alma apaixonada pela Sua Esposa – como não existe esposo sem esposa – aí Ele entra e realiza as maiores maravilhas que pode acontecer na existência humana.
Em Pentecostes, os apóstolos não fazem uma experiência de pedir o Espírito Santo – diretamente. Eles fazem uma experiência com Maria e é dessa experiência que recebem o Esposo da Virgem, o Espírito do Pai, por meio do Filho.
Tudo isso para dizer que Zaqueu hoje é cada um de nós. O sicômoro é Maria – a árvore que trouxe o maior fruto para a humanidade, proveniente de Deus: Jesus Cristo. Permitamos receber Jesus na nossa casa e esta casa tem nome: o coração de cada um de nós. Somente quando o Senhor entra em nossa vida, em nosso coração, é que tudo se transforma.

Visitantes

Contador de acesso